Tratamento da Ginecomastia

A ginecomastia consiste num aumento das mamas nos homens e afeta, aproximadamente, 40% dos homens, numa ou em ambas as mamas, estando normalmente relacionada, com um desequilíbrio hormonal, onde há um aumento da produção de estrogénio e diminuição da produção de testosterona.

A cirurgia para tratamento da ginecomastia pode ser realizada em pacientes de qualquer idade e, de acordo com o tipo de ginecomastia apresentada pelo paciente, o tratamento cirúrgico pode ser:

  • Lipoaspiração

Indicado nos casos de pseudoginecomastia, onde há apenas um acumular de gordura sobre o músculo peitoral, utilizando a técnica de anestesia local.

  • Remoção cirúrgica da glândula  

Indicado nos casos de ginecomastia verdadeira, onde há um aumento anormal do tecido glandular mamário. Por ser um tecido fibroso e endurecido, não pode ser eliminado apenas com a lipoaspiração, sendo necessária a realização de um corte na região peri-aureolar inferior da mama, para que a glândula seja retirada. A cicatriz resultante apresenta ótimo aspecto estético, devido à coloração naturalmente escurecida da região aureolar, o que irá disfarçar a cicatriz.

  • Mamoplastia Redutora  

Em alguns casos de ginecomastia severa (ginecomastia grau 3), o paciente pode apresentar um excesso de pele flácida, para além do aumento do tecido mamário e gordura, o que requer uma cirurgia de maior porte, geralmente sob anestesia geral e com uma cicatriz maior.

Na maior parte dos casos, a ginecomastia é do tipo mista, necessitando da combinação de lipoaspiração e remoção cirúrgica do tecido glandular, resultando num peitoral firme e plano, consistente com o contorno corporal masculino.

Sente-se algum desconforto pós-operatório, durante alguns dias após a realização desta intervenção, sendo passageiro e, facilmente controlado por analgésicos. A maior parte dos pacientes retoma as atividades quotidianas entre 24 a 48h após o procedimento, desde que não desenvolvam esforço físico intenso.